Dispepsia, gastrite, úlcera e dieta

Dispepsia, gastrite, úlcera e dieta

O termo dispepsia (“má-digestão”) se refere a uma série de sintomas digestivos, sendo os mais comuns a dor epigástrica (“estômago”), que pode ser em queimação, pontada ou aperto, a presença de náusea e eructações (arrotos) frequentes, saciedade precoce e sensação de distensão do estômago após as refeições. Várias são as causas de dispepsia, sendo as mais comuns as funcionais (60% dos casos), as pépticas (gastrite e úlcera) e as biliares (cálculos ou pedras na vesícula). A dispepsia funcional tem como característica não apresentar qualquer alteração orgânica que justifique os sintomas,  e estudos mostram uma relação dos sintomas com o esvaziamento lento do conteúdo do estômago em direção ao intestino, uma má acomodação dos alimentos no estômago, a hipersensibilidade do estômago e infecção gástrica pela bactéria Helicobacter pylori. As causas pépticas, como a gastrite e úlcera, se caracterizam com o aumento da acidez no estômago, em tem relação com a infecção pela bactéria Helicobacter pylori e com hábitos alimentares e estilo de vida, assim como a dipepsia funcional. Em relação à dieta, sabe-se que 75% dos pacientes descrevem a alimentação como desencadeador dos sintomas.

Quanto à dieta, as orientações variam desde o ritmo alimentar até especificamente aos alimentos que devem ser evitados. Em relação ao ritmo alimentar, as dietas devem ser fracionadas, ou seja, pequenas refeições devem ser realizadas ao longo do dia, para que desta forma, os alimentos sejam digeridos com mais facilidade. Refeições com grande volume causam desconforto no estômago devido ao excesso de alimentos a serem digeridos, e prejudicam a absorção de nutrientes. Além disso, uma grande refeição não compensa longos períodos em jejum, o que é muito comum nos dias atuais devido ao ritmo profissional. Quanto ao ambiente das refeições, estas devem ser realizadas em locais tranquilos, serenos e sem discussões acaloradas. Também é interessante que se realize uma boa mastigação dos alimentos.

Quanto aos tipos de alimentos mais relacionados ao desencadeamento dos sintomas, estes são as dietas ricas em gordura e frituras, café (principalmente em excesso), chá, bebidas cola, chocolate, álcool, chicletes e balas, alimentos ácidos (tomate e derivados, vinhos, e frutas cítricas) e condimentos em excesso. A ingestão de gordura, por exemplo, causa um aumento da sensibilidade gástrica, podendo desencadear os sintomas de má-digestão e dor. Deve se lembrar que apesar de não ser um alimento, o tabagismo também tem relação com os quadros de dispepsia.

Como a dispepsia apresenta várias causas e com tratamentos diferenciados, é importante o acompanhamento médico para que um tratamento específico seja instituído, além de uma boa orientação dietética.

Postado por:

Dr. Fernando Valério