Transtornos alimentares: quando medo de comer ganha da razão!

 

As coisas sempre vão para o lado oposto do que desejávamos quando chegam a um EXTREMO. E ter uma “ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL” e um “CORPO PERFEITO” podem estar chegando a este ponto para algumas pessoas. Faz parte da vida se preocupar com a nossa saúde, ainda mais quando grande parte da população está acima do peso e com doenças crônicas relacionadas à alimentação (diabetes, infarto do miocárdio, hipertensão arterial, câncer, hipercolesterolemia, demência, e é orientada todo o tempo a pensar em gordura, sal e açúcar. A Organização Mundial da Saúde divulga dados de que doenças não-infecciosas, e que podem ter relação com alimentação e estilo de vida, são responsáveis por 86% dos casos de morte. Mas há um ponto limite entre se cuidar e se espoliar. A atual preocupação com a qualidade e quantidade dos alimentos não é uma surpresa, na verdade sempre foi assim, seja por opção ou necessidade, mas para alguns isto tem se tornado uma obsessão.

Algumas pessoas estão confundindo transtornos alimentares (ANOREXIA, BULIMIA, COMPULSÃO ALIMENTAR, VIGOREXIA, ORTOREXIA) com um estilo de vida adequado, quando na verdade estão sofrendo de sérios PROBLEMAS DE ORDEM MENTAL. Estes transtornos afetam as pessoas fisicamente, socialmente e psicologicamente, e podem trazer consequências muito graves.

Os transtornos alimentares são uma variação de desordens expressadas através de alteração patológicas nos hábitos alimentares. E geralmente nascem como uma preocupação exagerada aos alimentos, peso corporal e forma física, mas que resultam em sérias consequências. Às vezes, até em óbito.

Os sintomas mais comuns são restrição severa de ingestão alimentar, compulsão por comida e purgação (vômitos, laxantes e excesso de exercícios físicos). Embora os transtornos alimentares possam afetar qualquer pessoa, de qualquer sexo e em qualquer fase da vida, eles são mais frequentes em adolescentes e mulheres jovens. Saiba que 13% das pessoas com menos de 20 anos de idade já experimentaram algum tipo de desordem alimentar.
As causas podem ser genéticas, personalidade (perfeccionismo e impulsividade), pressão familiar e social para ser magro e alterações no funcionamento cerebral (neurotransmissores).
Em relação ao quadro genético, alguns estudos mostram que gêmeos que foram separados e adotados por famílias diferentes, podem apresentar estes transtornos em algum momento, o que sugere um caráter hereditário da doença. Estes estudos mostram que quando um dos gêmeos apresenta o quadro de transtorno alimentar, o outro tem 50% de chances de evoluir para o mesmo problema.

Os transtornos alimentares devem ser tratados assim que percebidos, e requer uma equipe multidisciplinar e muito apoio familiar e de amigos. Esta equipe deve contemplar médicos (nutrólogo, psiquiatra), nutricionista, psicólogo, e muito amor e paciência.

Dr. Fernando Valério
Gastroenterologista e Nutrólogo

Postado por:

Dr. Fernando Valério