18 abr 17

Nós vivemos um momento social em que a ingestão do glúten passa por diversos questionamentos e dúvidas. Na minha opinião, existe uma série de exageros, modas e mitos a este respeito, além de muitas informações divulgadas sem respaldo científico comprovado e feito por pessoas sem capacidade profissional para emitirem estes pareceres. O que traz preocupação é que algumas pessoas realmente apresentam distúrbios digestivos ligados ao glúten, e que podem ter o seu diagnóstico retardado em razão da banalização deste tema. Estas doenças podem levar de um discreto comprometimento da qualidade de vida pessoal e social até doenças e sintomas graves. São exemplos destes distúrbios intestinais ligados ao glúten a doença celíaca (intolerância ao glúten), a alergia e a sensibilidade ao glúten. O tema deste artigo é discutir as indicações dos exames e quais destes são realmente úteis para o diagnóstico da doença celíaca. Infelizmente há no mercado uma serie de exames caros e sem fundamentação médica, e sem utilidade para o diagnóstico da doença celíaca, e por isso esta acredito que esta descrição seja importante.

O glúten é uma proteína encontrada no trigo, centeio e cevada. Por isso, todos os alimentos que contenham esta proteína deverão ser evitados por pacientes com a doença celíaca. São alguns exemplos destes alimentos as bolachas, massas, sorvetes, pães, pizzas, cervejas, refrigerantes e chocolates. A doença celíaca é uma doença gastrointestinal crônica, que afeta 1% da população, e que leva a um processo inflamatório na mucosa do intestino devido a uma resposta imunológica em pessoas geneticamente susceptíveis ao glúten. Ou seja, o nosso organismo reconhece o glúten como um “agressor”, e tenta neutralizá-lo através de anticorpos que nós mesmos produzimos. O problema é que estes anticorpos também agem contra a nossa mucosa intestinal, prejudicando a integridade e funcionamento do nosso intestino. Esta resposta inflamatória exagerada pode causar uma variedade de sintomas intestinais e extra-intestinais, como a deficiência de nutrientes (vitaminas do complexo B e D, ferro, cálcio, intolerância à lactose), osteoporose, anemia, crescimento inadequado, doenças auto-imunes (hepatite, diabetes, tireoidite) e tumores (principalmente o linfoma). Esta gama de complicações que podem surgir durante a vida destes pacientes é o que justifica o esforço para que o diagnóstico seja realizado o quanto antes. Sabe-se que diagnósticos precoces são essenciais para o que se previnam estas complicações.

Como a doença celíaca pode se apresentar com sintomas discretos ou até mesmo atípicos, esta possibilidade diagnóstica às vezes não chama a atenção do médico, o que prejudica e muito as chances de um diagnóstico precoce. A falta de atenção para esta possibilidade desta doença é tão comum que o intervalo entre o começo dos sintomas e a confirmação da presença da doença celíaca é em média de 12 anos. Por isso, um grande grupo de situações impõe aos médicos a necessidade de triar estes pacientes para um possível diagnóstico da doença celíaca. São exemplos destas situações dor e distensão abdominais, flatulência e aumento de gases intestinais, diarreia crônica, anemia causada por deficiência de ferro, síndrome do intestino irritável, osteopenia e osteoporose, retardo na puberdade e crescimento, baixa estatura, vômitos recorrentes, irritabilidade, perda de apetite (anorexia), fadiga crônica, doença hepática auto-imune, doença de tireoide auto-imune, elevação de enzimas hepáticas e perda de peso inexplicada.

O diagnóstico de certeza para a doença celíaca é realização de endoscopia digestiva alta, com biópsia intestinal (duodeno). No momento do exame e da biópsia, para que o diagnóstico seja firmado com maior tranquilidade e certeza, é preciso que o paciente esteja com dieta normal em relação ao glúten, ou seja, ingerindo regularmente esta proteína. A biópsia mostra a atrofia das vilosidade intestinais e o processo inflamatório característico da doença.

No entanto, o exame endoscópico é invasivo, requer sedação, além de ter um maior custo quando se pensa em triagem de grandes grupos. Por isso, os exames sorológicos (sangue) são tão importantes. Os exames laboratoriais confirmam a presença de anticorpos que reagem à presença do glúten na nossa alimentação, e que em níveis sanguíneos elevados podem representar o diagnóstico de doença celíaca. Os mais utilizados são os anticorpos antiendomísio, antitransglutaminase tecidual (teste preferido) e antigliadina (deamidada). Mas é importante lembrar que estes exames laboratoriais são sempre usados como triagem, e que o diagnóstico definitivo será feito através de biópsia intestinal colhida em endoscopia digestiva alta.

Um outro ponto importante para se discurtir a respeito do diagnóstico de doença celíaca são os testes genéticos. Esta doença tem um enorme componente genético, e por isso parentes de primeiro grau são muito mais sujeitos a manifestar a doença. Por isso realizam-se também testes genéticos de suscetibilidade, como o exames HLA DQ2 e DQ8. Mas lembro que estes exames genéticos não mostram ou confirmam a presença da doença no momento, e sim um risco potencial. Para que se tenha uma boa ideia sobre este exame, mais de 30% da população de pele branca apresenta positividade para estes testes, mas somente 4% destas pessoas com exame positivo realmente desenvolverão a doença.

Conclui-se portanto que os exames laboratoriais são muito úteis quando há suspeita de doença celíaca, e que o diagnóstico precoce é muito importante quando se pensa em prevenir as complicações desta doença e que a biópsia intestinal é realmente o exame que confirma a doença. E uma informação muito importante! Não se começa uma dieta sem glúten até que um diagnóstico seja realmente estabelecido. Não há razão para se causar um transtorno pessoal, social e financeiro sem a confirmação de que o glúten realmente causa alguma alteração digestiva.

 

Dados do autor:
Dr. Fernando Valério
Gastroenterologista, Nutrólogo e Proctologista
São Paulo, SP
Consultas: particulares e Omint

Nós vivemos um momento social em que a ingestão do glúten passa por diversos questionamentos e dúvidas. Na minha opinião, existe uma série de exageros, modas e mitos a este respeito, além de muitas informações divulgadas sem respaldo científico comprovado e feito por pessoas sem capacidade profissional para emitirem estes pareceres. O que traz preocupação […]
04 abr 17

O tratamento do câncer pode aumentar muito a demanda nutricional do nosso corpo. Por isso é muito relevante que neste período de terapia a dieta seja sempre saudável e rica em alimentos nutritivos. Os principais objetivos nutricionais durante o tratamento do câncer é manter um peso corporal compatível com a normalidade e comer alimentos adequados que possam suprir o nosso corpo com calorias e nutrientes. Desta forma conseguimos promover ao corpo energia suficiente para que a reparação, recuperação e cicatrização dos órgãos e tecidos afetados ocorram da melhor maneira possível.

Pacientes com câncer devem receber uma dieta equilibrada e medicamente comprovada, com recomendações individuais e personalizadas, e baseada em inúmeros fatores, como o tipo de câncer, o estágio da doença, o tratamento planejado e proposto, a história nutricional e de peso, resultados de avaliação de composição corporal e os valores dos exames laboratoriais. Esta é uma doença grave e com riscos óbvios, por isso não se deve perder tempo com informações e condutas não estudadas e com efeitos que não foram rigorosamente examinados. Infelizmente a parte alimentar é uma das que mais sofre com informações equivocadas, principalmente quando se pensa que alimentos “mágicos” podem resolver muitas questões e até mesmo curar o paciente. Dietas alternativas e sem o aval de estudos sérios mostram-se prejudiciais aos pacientes com câncer. Assim como toda pessoa saudável, o paciente com câncer deve comer uma dieta correta e equilibrada, que inclui frutas e vegetais, quantidades moderadas de grãos integrais, boas fontes de proteínas (carnes peixe, frango e carne vermelha magra), lacticínios com baixo teor de gordura, leguminosas (feijão, lentilha, grão de bico) e tofu, por exemplo. Ou seja, uma dieta comum, sem segredos, mas adequada e pensada para cada caso. Se houver necessidade, suplementos alimentares podem ser indicados por especialistas em nutrição, principalmente quando não se atinge o requerimento alimentar mínimo necessário com a dieta regular.

E se apesar de toda uma oferta alimentar adequada e rica em opções o paciente não conseguir comer de maneira correta durante o tratamento? Este é o grande problema que aflige pacientes, familiares e equipe de saúde quando se pensa em alimentação e pacientes com câncer. Infelizmente os efeitos colaterais decorrentes do tratamento podem comprometer os hábitos alimentares e o status nutricional. (mais…)

O tratamento do câncer pode aumentar muito a demanda nutricional do nosso corpo. Por isso é muito relevante que neste período de terapia a dieta seja sempre saudável e rica em alimentos nutritivos. Os principais objetivos nutricionais durante o tratamento do câncer é manter um peso corporal compatível com a normalidade e comer alimentos adequados […]
28 mar 17

O câncer é uma doença que se caracteriza pelo crescimento desordenado e invasivo de células do nosso corpo. Obviamente esta é uma informação técnica e fria sobre uma doença, mas que na prática traz uma série de dúvidas, angústias e sofrimento para aqueles que sofrem com a doença e de seus familiares. Como uma doença complexa e grave, com tratamentos e terapias agressivas, e com consequências físicas e emocionais enormes, pensar em todos os aspectos é muito importante.

Atendo em meu consultório pacientes com câncer e claramente percebo que um destes aspectos é algumas vezes negligenciado durante o processo de diagnóstico e tratamento. O aspecto nutricional! A razão para isto é que após o diagnóstico os pacientes são submetidos a inúmeros exames para estadiamento e acompanhamento da doença, cirurgias, quimioterapia e radioterapia, o que torna a sua vida tão intensa e atribulada, que é realmente difícil se pensar em todos os detalhes. Mas os aspectos alimentares e nutricionais não podem ser esquecidos. A má nutrição é um problema comum em pacientes com câncer e tem sido reconhecida como um efeito adverso importante da doença, já que aumenta a morbidade e mortalidade, além de causar um prejuízo à qualidade de vida. Mais do que isso, a perda de peso causada pela doença é um indicador de pior prognóstico em pacientes com câncer. Saibam que 80% dos pacientes com câncer digestivo e 60% dos pacientes com câncer de pulmão já se apresentam com perda significativa de peso (mais de 10% do peso em 6 meses) no momento do diagnóstico. Por isso, todo paciente com câncer deve ter a sua parte nutricional avaliada e estudada por um especialista capacitado em nutrição e que entenda a complexidade dos cuidados de um paciente com câncer. (mais…)

O câncer é uma doença que se caracteriza pelo crescimento desordenado e invasivo de células do nosso corpo. Obviamente esta é uma informação técnica e fria sobre uma doença, mas que na prática traz uma série de dúvidas, angústias e sofrimento para aqueles que sofrem com a doença e de seus familiares. Como uma doença […]
29 jul 15
Aspectos nutricionais da Doença de Crohn e da Retocolite Ulcerativa

A manutenção da saúde humana requer a ingestão contínua de nutrientes, assim como a sua digestão e absorção, o que só é possível quando o nosso trato digestivo funciona de maneira adequada. No entanto, muitas alterações digestivas interferem na digestão normal. A Doença de Crohn (DC) e a Retocolite Ulcerativa Idiopática (RCUI) são doenças do trato digestivo que se caracterizam por um proeminente processo inflamatório intestinal, repercutindo no processo digestivo e trazendo assim repercussões nutricionais evidentes. Desta forma, este artigo discute as principais alterações nutricionais decorrentes destas doenças e dos seus tratamentos. (mais…)

A manutenção da saúde humana requer a ingestão contínua de nutrientes, assim como a sua digestão e absorção, o que só é possível quando o nosso trato digestivo funciona de maneira adequada. No entanto, muitas alterações digestivas interferem na digestão normal. A Doença de Crohn (DC) e a Retocolite Ulcerativa Idiopática (RCUI) são doenças do […]
06 mai 15
Síndrome Metabólica: o que é e o que representa para a sua saúde?

Dr Fernando Valerio - Blog - Sindrome metabolica
O termo síndrome metabólica é utilizado para descrever uma série de alterações metabólicas que podem trazer enorme prejuízo à saúde. Estas alterações são representadas pela resistência à insulina ou aumento da glicemia (aumento do açúcar no sangue), obesidade abdominal, alterações de colesterol (LDL alto e HDL baixo) e triglicérides, e hipertensão arterial. Estes fatores são importantes porque cada componente aumenta o risco de doença cardiovascular e do desenvolvimento de diabetes, sendo que pode haver sinergismo entre eles, aumentando assim o risco. Desta forma, o objetivo deste artigo é mostrar a importância de se perceber que estas alterações podem nos prejudicar enormemente, e que a sua presença em conjunto não é apenas uma coincidência, e sim um enorme risco. (mais…)

O termo síndrome metabólica é utilizado para descrever uma série de alterações metabólicas que podem trazer enorme prejuízo à saúde. Estas alterações são representadas pela resistência à insulina ou aumento da glicemia (aumento do açúcar no sangue), obesidade abdominal, alterações de colesterol (LDL alto e HDL baixo) e triglicérides, e hipertensão arterial. Estes fatores são […]
18 abr 15
Fibras alimentares: o que são, funções e os seus benefícios à saúde.

Dr Fernando Valerio - Blog - Fibras
A fibra alimentar tem sido relacionada a uma serie de eventos fisiológicos e nutricionais, benéficos à saúde humana, já que sabidamente promove a melhora do trânsito intestinal, retarda o esvaziamento do estômago (aumenta a saciedade e facilita a perda de peso), melhora o volume e consistência das fezes, promove o crescimento seletivo de bactérias no intestino, reduz os níveis de colesterol no sangue e no fígado e diminui a absorção de açúcar. Desta forma, pode-se afirmar que as fibras alimentares atuam sobre o metabolismo dos carboidratos, dos lipídios (gorduras), da fome e da saciedade, além de participar da prevenção de doenças crônicas, como o diabetes, doenças cardiovasculares (infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral), obesidade e alguns tipo de câncer. Devido a estas associações interessantes para a nossa saúde, descrevo neste artigo a definição, tipos, características e funções das fibras. (mais…)

A fibra alimentar tem sido relacionada a uma serie de eventos fisiológicos e nutricionais, benéficos à saúde humana, já que sabidamente promove a melhora do trânsito intestinal, retarda o esvaziamento do estômago (aumenta a saciedade e facilita a perda de peso), melhora o volume e consistência das fezes, promove o crescimento seletivo de bactérias no […]