30 dez 06

Eu acredito que para se atingir a excelência em qualquer carreira que se tenha escolhido é preciso seguir algumas regras, principalmente no caso do médico, em que a sua falta de preparo é, em geral, o prejuízo de quem precisou da sua ajuda. Depois de observar profissionais com capacidade profissional inquestionável, incluindo meu Pai (engenheiro) e alguns médicos com que tive a oportunidade de conviver, criei a Regra dos 3 “Cs”: para ser um profissional especial você precisa ser Competente, ter Caráter e se dedicar a sua profissão com o Coração. (mais…)

Eu acredito que para se atingir a excelência em qualquer carreira que se tenha escolhido é preciso seguir algumas regras, principalmente no caso do médico, em que a sua falta de preparo é, em geral, o prejuízo de quem precisou da sua ajuda. Depois de observar profissionais com capacidade profissional inquestionável, incluindo meu Pai (engenheiro) […]
26 dez 06
Por que ser médico?

medico_faixa.jpg

Um dos maiores tormentos que os jovens passam em suas vidas é com certeza a escolha profissional. Levam-se em consideração os prós e os contras de cada uma das opções, o seu desempenho escolar e as opiniões dos familiares. Alguns, a escolhem por exclusão, simplesmente optando por aquela profissão que lhe trará menos transtornos ou esforço no futuro. Estes últimos estão fadados a frustração e ao insucesso. (mais…)

Um dos maiores tormentos que os jovens passam em suas vidas é com certeza a escolha profissional. Levam-se em consideração os prós e os contras de cada uma das opções, o seu desempenho escolar e as opiniões dos familiares. Alguns, a escolhem por exclusão, simplesmente optando por aquela profissão que lhe trará menos transtornos ou […]
01 fev 06
Apendicite Aguda

O que é?

Apendicite aguda é o nome dado à inflamação e a infecção do apêndice cecal. O apêndice cecal é uma extensão do intestino (ceco), com 6 a 10cm de extensão, que se situa no lado direito e inferior do abdome.
A inflamação do apêndice ocorre devido à obstrução do seu interior por fecalitos (fezes). Devido a esta obstrução, ocorre uma grande proliferação de bactérias, e assim instala-se um processo infeccioso, que pode ser leve ou intenso, dependendo do tempo em que o tratamento será realizado.

apendicite_aguda
Sintomas

O diagnóstico da apendicite aguda é feito, primeiramente, baseando-se nos sintomas referidos pelo paciente e no exame físico realizado pelo médico. A historia típica da apendicite é a de dor generalizada do abdome, associada à perda de apetite e náusea. Com o passar do tempo, a dor se instala na região epigástrica (estômago), seguindo para a região do umbigo, até finalmente se localizar na parte inferior e direita do abdome. Nesta fase, vômitos podem ocorrer. Em geral ocorre febre baixa (até 38 °C), elevando-se nos casos de perfuração do apêndice (“supurado”).
Ao exame físico, o paciente refere dor à palpação da parte inferior direita do abdome, com freqüente endurecimento da parede abdominal neste local. Os movimentos intestinais ficam mais lentos, o que é percebido pela distensão abdominal, pela diminuição da eliminação de gases e fezes, e pela diminuição dos ruídos intestinais. Nos casos de perfuração do apêndice, com contaminação de toda a cavidade abdominal com pus, todo o abdome ficará dolorido.

Exames

A maioria dos pacientes com apendicite aguda mostra alteração no hemograma, caracterizada por aumento do número das células de defesa (leucócitos), que variam de 10000 a 20000 células (o normal é de até 10000 células). O exame de urina também pode mostrar alteração, devido ao contato do apêndice inflamado com o ureter e a bexiga.
Quanto aos exames de imagem, os mais utilizados atualmente são a ultra-sonografia e a tomografia computadorizada de abdome. Estes exames mostram o espessamento do apêndice e a presença de pus ao seu redor (abscesso). Além disso, estes exames também são úteis para o diagnóstico de outras doenças que causam dor abdominal, e que podem ser confundidas com apendicite, principalmente nas mulheres (cisto de ovário, gravidez tubária). Os estudos atuais mostram que a tomografia computadorizada mostra maior eficácia do que a ultra-sonografia para os diagnósticos de apendicite aguda.

Tratamento

O tratamento da apendicite é a retirada do apêndice, cirurgia chamada de apendicectomia. No entanto, devido ao quadro infeccioso associado, todos os pacientes devem receber antibióticos, tanto no período pré-operatório, quanto no pós-operatório.
Atualmente, o método indicado para a realização da apendicectomia é a cirurgia vídeo-laparoscópica, realizada através de 3 pequenas incisões, e com o auxílio de um monitor. Este tipo de cirurgia permite uma recuperação mais rápida, devido ao pequeno tamanho das incisões, além de um melhor efeito estético. Além disso, a cirurgia vídeo-laparoscópica permite a inspeção de toda a cavidade abdominal, excluindo-se assim, outras causas de dor abdominal. Nos casos em que há um grande abscesso, há a necessidade de colocação de dreno para o completo esvaziamento do pus da cavidade abdominal.
O tempo de internação varia de 24 a 72 horas em média, dependendo sempre do aspecto do apêndice e da presença de pus no momento da cirurgia.

 

O que é? Apendicite aguda é o nome dado à inflamação e a infecção do apêndice cecal. O apêndice cecal é uma extensão do intestino (ceco), com 6 a 10cm de extensão, que se situa no lado direito e inferior do abdome. A inflamação do apêndice ocorre devido à obstrução do seu interior por fecalitos […]
01 fev 06

O que é?

O cisto pilonidal é uma inflamação que ocorre na região interglútea, na pele em cima do cóccix e sacro. Esta é uma doença que afeta mais comumente os adolescentes e adultos jovens, com o pico de incidência na terceira década de vida. O sexo masculino está acometido em 80% dos casos.

Como ocorre?

O termo pilonidal vem do latin pilus, que significa pêlo, e nidus (cisto), que significa ninho. Desta forma, é assim que o cisto pilonidal se desenvolve. O pêlo da região superficial ao cóccix e o sacro cresce para dentro da pele, funcionando como um corpo estranho, que causa um processo inflamatório e infecção subseqüente. Este corpo estranho se aproveitaria da vulnerabilidade da pele destes pacientes, e se aprofundaria nesta região, formando então, o cisto pilonidal.
O cisto pilonidal foi descrito pela primeira vez por um médico chamado Mayo, em 1883. Naquele período, se acreditava que o cisto fosse decorrente de um problema congênito da região. Atualmente a teoria mais aceita é de que o cisto pilonidal é realmente uma doença adquirida. A tendência que o cisto tem em recidivar é consistente com uma doença adquirida, já que caso contrário, a retirada do tecido mal formado resultaria na cura completa da doença.

Sintomas

Alguns pacientes são assintomáticos, mas apresentam uma pequena abertura na pele (orifício) da região sacro-coccígea, uns 5 cm acima do ânus. Os pacientes sintomáticos apresentam dor na região, edema (inchaço), vermelhidão, e saída de líquido purulento pelo orifício na pele. Em alguns casos, devido a intensidade do processo inflamatório e da infecção (abscesso), novos orifícios surgem na região, facilitando a saída espontânea do pus. Estes orifícios se comunicam por debaixo da pele, formando trajetos fistulosos, como se fossem “túneis”. Em alguns casos, devido a dor na região final da coluna (cóccix e sacro), algumas vezes o primeiro especialista a ser procurado é o ortopedista, que prontamente encaminhará o paciente ao proctologista.
Mais comumente, os pacientes apresentam saída crônica de líquido purulento pelos orifícios do cisto pilonidal, com períodos de melhora dos sintomas. Ao exame, os orifícios são observados, e algumas vezes é possível notar a projeção do pêlo através destes orifícios. Com a pressão manual sobre os trajetos fistulosos, é possível visualizar a saída de um líquido seroso e purulento.

Tratamento

O tratamento nos casos que se apresentam inicialmente como um abscesso da região deve ser a drenagem cirúrgica do abscesso, com a conseqüente retirada da secreção purulenta. Esta drenagem pode ser realizada com anestesia local, raquimedular ou geral, dependendo da intensidade do caso. Em alguns pacientes, este é o tratamento definitivo, principalmente naqueles acima dos 30 anos de idade. Deve-se salientar de que este tipo de evolução ocorre em menos de 40% dos casos submetidos a drenagem do abscesso. Os antibióticos têm pouco efeito nestes casos, e só devem ser utilizados em infecções graves ou em pacientes com comprometimento da imunidade.
No entanto, nos pacientes que apresentam a persistência do cisto, mesmo após a drenagem do mesmo, o tratamento cirúrgico está indicado. O procedimento cirúrgico ideal para estes casos é o que requer menor hospitalização, maior simplicidade técnica, e que tenha um baixo índice de recorrência da doença.
Nestes casos, indico em meus pacientes a abertura do cisto, a curetagem (raspagem) da parede interna do cisto, a retirada dos pêlos e a cauterização da região. Ou seja, o cisto é convertido em uma ferida aberta, que cicatrizará com o passar dos dias. Os trajetos fistulosos são identificados através de uma pinça que entra em um dos orifícios na pele e sai em outro. Em seguida, o trajeto é aberto. Um aspecto importante durante a preparação para cirurgia é a retirada completa dos pêlos da região. O mesmo procedimento também deverá ser mantido no período pós-operatório, mantendo-se uma área de 3 a 4cm sem pêlos a partir da ferida. A maior vantagem deste método é a sua facilidade técnica, e a maior desvantagem, o tempo de cicatrização (4 a 6 semanas).
Em geral, o paciente recebe alta hospitalar no dia seguinte ao da cirurgia, com orientação a respeito do curativo e sobre os analgésicos utilizados para o controle da dor. O curativo é realizado diariamente, com a lavagem da ferida com soro fisiológico, e colocação delicada de gazes. Desta forma haverá a cicatrização uniforme da ferida, até que em determinada fase desta cicatrização, a ferida estará quase fechada e não haverá a necessidade de colocação da gaze. É importante que o cirurgião ensine à pessoa que realizará o curativo o modo correto de realização do mesmo, evitando-se assim, dor desnecessária no momento da troca e melhores resultados.
Nos casos recidivados e já submetidos a este tipo de cirurgia, outras técnicas mais complexas podem ser utilizadas, como o fechamento da ferida no momento da cirurgia. No entanto, isto implica em um maior tempo de internação hospitalar e maior dificuldade cirúrgica, devendo-se assim, reservar este tipo de tratamento para casos selecionados.

 

O que é? O cisto pilonidal é uma inflamação que ocorre na região interglútea, na pele em cima do cóccix e sacro. Esta é uma doença que afeta mais comumente os adolescentes e adultos jovens, com o pico de incidência na terceira década de vida. O sexo masculino está acometido em 80% dos casos. Como […]
01 fev 06
Abscesso Anorretal

O que é?

O abscesso anorretal é um processo inflamatório agudo da região anal, e geralmente é a primeira manifestação de uma fístula anorretal. A fístula é um trajeto (“túnel”) que se forma entre a parede anorretal e os tecidos vizinhos devido à obstrução de ductos glandulares do canal anal, com o objetivo de drenar (eliminar) um processo infeccioso.
Os abscessos anorretais podem ser decorrentes de outras condições, como: trauma, câncer, radiação, queda da imunidade (AIDS, leucemia), dermatite, tuberculose, doença de Crohn (doença inflamatória intestinal) e fissura anal.
Abscessos e fístulas anorretais ocorrem mais comumente em homens do que mulheres, na proporção de dois homens para cada mulher. No momento do diagnóstico, dois terços dos pacientes estão entre a terceira e quarta décadas de vida.

abscesso03
Sintomas

O abscesso é identificado como um abaulamento muito doloroso na região ao redor do ânus, e que causa grande desconforto ao evacuar e sentar. Este abaulamento é muito visível nos abscessos mais superficiais, mas não é tão evidente nos mais profundos. Nestes últimos, a valorização da queixa dolorosa do paciente é a chave para um diagnóstico correto.
No caso do abscesso que ocorre dentro da parede do canal anal, ocorre dor retal e anal, sendo que esta é exacerbada com a evacuação. O paciente também refere a sensação de reto “cheio”, podendo haver a saída de pus e muco. O toque retal mostra a presença do abaulamento dentro do canal anal. Este tipo de abscesso dever ser sempre diferenciado da trombose hemorroidária interna, que também é dolorosa e protuberante no canal anal.
O pus geralmente está presente no interior dos abscessos, o que pode ser comprovado com uma simples punção com agulha no próprio consultório. A presença do pus confirma o diagnóstico e indica a necessidade de drenagem cirúrgica. A febre pode estar presente, mas não é uma regra.
O exame físico revela uma área endurecida, quente, com vermelhidão e muito dolorosa ao toque. Em alguns casos, é até possível observar um local de saída de secreção purulenta. No entanto, não devemos esquecer que nos abscessos mais profundos a história clínica pode ser mais evidente do que o exame físico.
Nos casos de difícil diagnóstico, o cirurgião pode sugerir a realização de exames de imagem, como a ultra-sonografia, a tomografia computadorizada ou a ressonância magnética, que identificarão o local e a extensão do abscesso.
Também está indicada a realização de hemograma, para a avaliação do grau da infecção, e de glicemia, devido ao risco de diabetes associada.

Tratamento

O tratamento é cirúrgico, e assim que se identifica o abscesso, este deve ser drenado (esvaziado). Após a retirada do material purulento, realiza-se a lavagem da região como soro ou solução antisséptica. Nos casos mais graves, há a necessidade de se manter um dreno por alguns dias (24 a 72 horas), até que toda a secreção residual seja eliminada. Em alguns casos, pode ser realizada a lavagem da cavidade drenada através do dreno.
No período pós-operatório, o paciente deve realizar banhos de assento com água quente, já que este tem um efeito antiinflamatório.
Os pacientes também deverão fazer uso de antibióticos, principalmente naqueles em que há história de diabetes, doença cardíaca valvular e imunossupressão.
Quanto ao tratamento da fístula anorretal, alguns cirurgiões apresentam a tendência a tentar identificar o trajeto fistuloso no momento da drenagem do abscesso. Na minha opinião, este é um risco, já que como a área se encontra muito inflamada, a chance de identificação correta do trajeto é de 35 a 40%, e um erro na avaliação pode “criar” um novo trajeto. Sendo assim, prefiro que o paciente apresente a cicatrização do abscesso e que se defina o trajeto fistuloso. Desta forma, a cirurgia para o tratamento da fístula pode ser realizado em outra data e de forma mais segura e definitiva.

O que é? O abscesso anorretal é um processo inflamatório agudo da região anal, e geralmente é a primeira manifestação de uma fístula anorretal. A fístula é um trajeto (“túnel”) que se forma entre a parede anorretal e os tecidos vizinhos devido à obstrução de ductos glandulares do canal anal, com o objetivo de drenar […]
01 fev 06

O que é?

Prurido anal é a coceira na região anal. Apesar de ser uma queixa frequente nos consultórios de Proctologia, muitos pacientes não procuram ajuda médica devido a vergonha ou preconceito, o que mostra uma alta prevalência desta doença. Devido à rica inervação da região anal, esta se torna muito sensível à ação de agentes irritantes, e desta forma pode evoluir com prurido anal. Apesar de não representar qualquer risco de morte aos pacientes, o prurido anal traz imenso desconforto e prejuízo à qualidade de vida..

Sintomas

A coceira é geralmente notada na região anal, mas pode afetar também as áreas genitais. Os sintomas tendem a piorar a noite, e até mesmo despertam o paciente do sono.
O prurido anal é mais comum em homens.

Causas

Cerca de metade dos casos de prurido anal não tem a causa definida. A maioria dos quadros tem relação com a dieta e com a perda de fezes após as evacuações. A perda de fezes ocorre principalmente em pacientes com fezes mais líquidas, e pode ser decorrente de uma falha no sistema de inibição da contração anal e consequente relaxamento da musculatura anal após a evacuação.
O prurido anal também pode ser causado por substâncias ingeridas na dieta do paciente, como o café (cafeína), chá (cafeína), bebidas cola, derivados do leite (queijo), álcool (cervejas e vinhos), tomates e derivados (“cat-chup”), chocolate e frutas cítricas.
O prurido anal pode ser causado por doenças anais e intestinais, como hemorróidas, fissuras anais, fístulas anais, e até mesmo câncer anal e colorretal, e por problemas intestinais, como constipação e diarréia, e parasitoses (principalmente oxiúrus).
As doenças dermatológicas também estão associadas, como alergias, dermatites de contato, micoses, seborréia, escabiose, pediculose e psoríase.
Outras causas infecciosas, além da micose (infecção por fungos) e do oxiúrus (parasitose), também devem ser lembrados, principalmente as doenças sexualmente transmissíveis, como o condiloma acuminado em ânus (HPV), herpes genital, gonorréia, sífilis e candidíase.
As alterações de higiene, tanto a falta quanto o excesso, também são causas de prurido anal.
O cigarro também é citado como outro fator.

Diagnóstico

O diagnóstico é realizado através da história clínica e do exame físico, que pode revelar a presença de doenças anorretais ou dermatológicas que justifiquem o quadro. Nos quadros em que há sangramento anal associado, é importante que se realizem exames mais invasivos, como a anuscopia e a colonoscopia, principalmente em pessoas acima de 40 anos. Além disso, lesões suspeitas da região anal devem sofrer biópsia.
Também pode ser realizada a pesquisa de parasitas (oxiúrus) e fungos (micose) através da coleta de material da região anal (swab-anal).

Tratamento

O primeiro passo a ser dado no tratamento do prurido anal consiste na orientação da higiene anal. Muitos casos de prurido estão associados à má higiene, principalmente devido a resíduos de fezes nesta região. No entanto, a higiene exagerada também está associada, principalmente devido a limpeza vigorosa e traumatizante da região anal, que levaria à descamação da pele, tornando-a mais sensível e expondo ainda mais as terminações nervosas. Sempre oriento aos meus pacientes que a região anal deve ser limpa, e não “esterelizada”.
Como a perda de fezes é um dos fatores mais comuns relacionados ao prurido anal, é interessante que este paciente mantenha as fezes pastoas e bem formadas, evitando-se assim quadros de diarréia. Por isso é importante o uso de fibras alimentares que formem um bolo fecal mais consistente, a não ingestão de bedidas alcoólicas e alimentos que possam causar diarréia, como o leite em pessoas com intolerância à lactose.
Nos casos em que se conhece claramente o fator causal do prurido anal, após o afastamento dos mesmos haverá regressão completa dos sintomas.
Outros cuidados incluem a observação de fatores alérgicos, e deve-se orientar a utilização de sabonetes neutros e roupas íntimas de algodão. Nos casos com causa específica, como as parasitoses, micoses, e outras infecções relacionadas, os tratamentos indicados devem ser instituídos.
O tratamento tópico consiste em cremes e pomadas a base de anestésicos e antiinflamatórios. Quando não se obtém bons resultados, pomadas e cremes a base de corticosteróides devem ser consideradas, mas sempre com orientação médica, já que o uso prolongado e indiscriminado pode causar atrofia da pele. Além disso, nos casos com muito prurido noturno, pomadas a base de antihistmínicos (anti-alérgicos) podem ser utilizadas.
Em casos muito raros, sedativos e traqüilizantes devem ser administrados.

 

O que é? Prurido anal é a coceira na região anal. Apesar de ser uma queixa frequente nos consultórios de Proctologia, muitos pacientes não procuram ajuda médica devido a vergonha ou preconceito, o que mostra uma alta prevalência desta doença. Devido à rica inervação da região anal, esta se torna muito sensível à ação de […]